Teste de Memória (Sequência de Ícones)

A memória de trabalho (MT) tem um limite de capacidade. Isso é especialmente relevante para tarefas complexas e, portanto, está relacionado com a capacidade de raciocínio. Uma forte relação entre a capacidade de memória de trabalho e raciocínio foi encontrada em vários estudos1 e pesquisas que indicam este tipo de memória como um dos melhores preditivos de inteligência2.

A memória de trabalho está associada a 3 funções principais: o armazenamento e processamento simultâneo de informações, supervisão (monitoramento de operações mentais, controle de sua eficiência e escolha dos recursos certos para uma tarefa) e coordenação (integração de informações de diferentes domínios de conteúdo)3 .

Este teste avalia o elemento da MT referente à capacidade de controlar a atenção, a fim de manter informações relevantes ou se desvincular de informações irrelevantes4.

Instruções:

Este teste contém 10 questões no total. No início de cada pergunta, você verá uma sequência de ícones em rápida sucessão. Em seguida, será mostrado um conjunto de 8 ícones e você deve selecionar os que acabou de ver.

Das 8 opções, 3 a 5 estão corretas. As seleções corretas valem 1 ponto e as incorretas valem -1.

Isenção de Responsabilidade:

Este teste foi desenvolvido com um propósito educacional e de entretenimento. Os resultados não constituem uma avaliação psicológica ou psiquiátrica de qualquer tipo e podem não oferecer um retrato preciso da aptidão mental do examinado. Não garantimos a exatidão dos resultados e estes não devem ser usados como um indicador das capacidades do indivíduo para um fim específico.

As respostas podem ser registradas e usadas para fins de investigação ou para serem distribuídas de outra forma. Todas as respostas são registradas anonimamente.

Referências:

1 P.C Kyllonen (1994). Aptitude testing inspired by information processing: a test of the four-sources model. Journal of General Psychology, 120 (1994), pp. 375-405; A.F Fry, S Hale (1996). Processing speed, working-memory, and fluid intelligence: evidence for a developmental cascade. Psychological Science, 7 (1996), pp. 237-241; R.W Engle, S.W Tuholski, J.E Laughlin, A.R.A Conway (1999). Working-memory, short-term memory and general fluid intelligence: a latent variable approach. Journal of Experimental Psychology, General, 128 (1999), pp. 309-331.

2 Süß, M., Oberauer, K., Wittmann, W., Wilhelm, O. & Schulze, R. (2002). Working-memory capacity explains reasoning ability—and a little bit more. Intelligence. 30(3), 261-288. https://doi.org/10.1016/S0160-2896(01)00100-3

3 Süß et al, 2002

4 Engle, R. (2018). Working Memory and Executive  Attention: A Revisit. Perspectives on Psychological Science. 13(2) 190 –193